Follow by Email

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Minha primeira viagem

Noite chuvosa de sexta-feira...um convite à boa mesa, acompanhada de um bom vinho e seguida da mais pura inércia... Oba! Decici iniciar minha viagem com Jamie pela primeira receita do livro: "A melhor salada de chouriço do mundo". É claro que não segui as orientações do chef à risca. Dei meus pitacos, acrescentei ingredientes, deixei outros de lado e confesso que não tive acesso a alguns. Utilizei chouriço defumado, lâminas de alho, tomate cereja, salsa, cebolinha, manjericão, mozzarela de búfala e queijo gorgonzola, regados a um molho de limão siciliano e azeite. Para acompanhar, fatias torradas de pão integral com grãos diversos e uma boa taça de vinho tinto. 

Nunca imaginei que chouriço salteado no azeite ficaria tão leve. Se Jamie aqui estivesse não sei o que acharia... Também não importa: ficou uma delícia. Priscilla Sarah - aprendiz de cozinheira.

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Saborosos 34...

Por várias vezes digo, repito e insisto: "Adoro comer" - principalmente quando cercada de grandes, bons, velhos e novos amigos. Pois então! Há 2 dias, completei 34 anos - uma data INESQUECÍVEL!!! Graças aos meus amigos, ou melhor, as minhas amigas do peito e de peito, as comemorações começaram um dia antes. Fui convidada para um chá da tarde (agradável surpresa) que virou festa  e adentrou a noite - com direito a pães recheados e bolo recheado de carinho e coberto com amor. No dia, ganhei brownie no almoço e no jantar. O melhor, de "amigas" diferentes - familiares queridas. Dentre outros diversos presentes, um se destaca e merece atenção especial - um post. Tenho uma AMIGA que veste a camisa - o traje todo, incorpora mesmo toda e qualquer situação. Trata-se de uma pessoa única, figura ilustre... Ontem, ao chegar em casa fui surpreendida por um pacote deixado na portaria do prédio. Um livro - fazia tempo que ganhava um livro, um bom livro! Leitura leve e saborosa. Um passeio por seis diferentes países, culturas, hábitos e alimentos. Jamie Viaja - Espanha, Itália, Suécia, Marrocos, Grécia e França. 

Nele, encontram-se relatos de experiêrncias únicas de um ilustre chef contemporâneo com povos e gastronomia rudimentar.

Além de receitas de pratos ilustres de cada região, têm-se descritos os modos de fazer da culinária popular. Um verdadeiro deleite! Nossos olhos são brindados com imagens únicas captadas pelas lentes de David "Lord" Loftus - amigo de longa data de Jamie. 

Assim, recebi a sugestão de recriar as belezas ali expostas - de fato, um incentivo à boa mesa e à comunhão. Só me resta agradecer, acatar e, de forma singela, tentar saciar aos comensais. Priscilla Sarah - aprendiz de cozinheira.

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Slow food!

Quem nunca comeu ou desejou comer um bom hambúrguer que atire a primeira pedra. É simplesmente impossível não salivar ao sentir aquele cheirinho de gordura na chapa! O simples som do tchiiiiiiiii é capaz de despertar os outros quatro sentidos! Apesar disso, não gosto muito de fast food. Na verdade, não gosto do fast. Como já relatei, adoro saborear a comida enquanto toco uma prosa morosa. O brasileiro, normalmente, é assim. Por incrível que pareça, ao perguntar para a maioria das pessoas o que a rede X ou Y vendem, a resposta é unânime: hambúrguer. ERRADO!!! Elas vendem refeição rápida. Em diversos países não há sequer mesas - por falar nisso, é sempre uma boa opção quando desbravamos mundos desconhecidos e sua gastronomia exótica. Mas aqui, onde tudo nem sempre acaba em pizza, o fast food virou passeio de domingo ou sinônimo de fim de noitada. É bacana, pois agrega. Não é raro nos depararmos com alguém só, comendo seu hambúrguer com velocidade - mas que é difícil, isso é. Para mim, comer um bom hambúrguer é uma oportunidade única de fazer amigos (gargalhadas). O processo lento e demorado começa quando vou ao açougue comprar a carne. Patinho é coisa de mãe que faz carne moída com purê de batata! Peço logo COSTELA - pra moer - e aí começo a me divertir e a fazer amizades. O atendente - pois não é açougueiro coisa nenhuma - olha com aquela cara de desdém e diz "Mocinha, a senhora está louca?!". ADORO! O homicídio qualificado da língua mãe! Os antônimos empregados na frase! O mocinha aqui não é um elogio. É um termo utilizado para designar aquelas que não entendem nada de cozinha. O senhora, por sua vez, soa como ofensa. E o louca, dispensa comentários. Eu, com o sarcasmo que me é peculiar olho para o elemento e simplesmente abro um sorriso enquanto ele continua divagando: "Costela se come assada na brasa! Onde já se viu?! Além do mais não pra moer porque tem osso! E aí o que vai querer?" A resposta é sempre a mesma: "Querido, (também não é elogio e muito menos pronome de bom tratamento), enquanto eu acarinho a sua orelha de jumento, vc pode desossar a costela e depois moer. Simples assim!". Primeira amizade feita!!! Na sequência, passo em uma boa padaria e compro pão roseta (um francês metido a besta com formato de broa). Vou para casa e, enfim, começo a preparar a slow food. Tempero a carne com uma pitadinha de sal e pimenta do reino moída. Disponho a mesma na prensa e recheio com gorgonzola. 
A quantidade aproximada de carne para cada hambúrguer é de 400g - bem prensados.

Aí vem a segunda fase de fazer amigos. Disponho meus utensílios - especialmente adquiridos para este fim (fogareiro industrial sob chapa de ferro fundido) - na varanda. Não há vizinho que resista. A salivação é geral! Fica lindeza. Para completar alface americana, tomate em rodelas, molhos diversos e muitos amigos - sem pressa!!!! Priscilla Sarah - aprendiz de cozinheira.

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Con questo freddo...

...uma bela pasta companhada de um bom vinho, vai muito bem! Por mais que associemos a idéia de macarrão às "mammas italianas", o macarrão não teve sua origem na Itália.  Dizem - as boas e más línguas -  que o macarrão foi inventado tão logo o homem aprendeu a moer cereais, misturar com água e cozinhar ou assar essa "pasta". Textos de civilizações antigas relatam que os assírios e babilônios, por volta de 2.500 a.C., já conheciam tal produto. Porém, foi Marco Polo quem tornou o prato "famoso" ao introduzir o  macarrão na Itália quando,  voltando de uma viagem à China em 1295, trouxe em sua bagagem uma receita de um prato feito com uma farinha extraída de arbusto de sagu  que, depois de cozida, era cortada e seca.  Bendito seja quem invemtou esta maravilha do mundo 'moderno'.
Para quem aprecia, macarrão é simplesmente maravilhoso! Eu adoro!!! Vai bem o ano todo. 
Com a preguiça do inverno, nada mais prático. Além disso, dá pra variar e inventar bastante.

Este gran fusili foi feito com  brócolis, lascas de bacalhau e champignon refogados no azeite e alho. 
Para colorir e aquecer, pitadas de pimenta calabresa. Lascas de parmesão e um vinho complementam a boa mesa. Priscilla Sarah - aprendiz de cozinheira.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Aromas da Bahia

Ontem, um domingo chuvoso - dia que pede uma comida quente - na tentativa de quebrar gelo,
decidi fazer uma bela moqueca de peixe - usei Xaréu.

Em uma panela de barro, comecei fritando a cebola roxa e o alho num bom dendê.

A casa foi tomada por aquele aroma inconfundível.
Aos poucos, fui acrescentando o demais ingredientes do refogado.
Quando tudo estava no ponto, acomodei as postas de Xaréu e um bocado de camarão.
Deixei cozinhar um pouquinho - bem pouquinho mesmo para o peixe não amolecer e o camarão endurecer.
Por fim, embebi tudo isso no leite de coco.
Quando o prato estava com aquele molhinho grosso, desliguei o fogo e salpiquei com coentro fresquinho. Abafei. Gente, o aroma estava magnífico.
Servi acompanhado de arroz e um pimentinha porreta que um boteco aqui de perto de casa me fornece.

Aquecemos o estômago, o corpo e alma.  
Para a sobremesa nada melhor do que uma boa manga rosa flambada na cachaça baiana. 

O povo comeu até o caroço! Priscilla Sarah - aprendiz de cozinheira.

domingo, 3 de julho de 2011

Espírito de porco...

...quem nunca ouviu esta expressão popular?! 
O prato de hoje é um retrato falado, cuspido e escarrado disso. 
Há alguns dias, ainda despertando, o telefone de casa tocou e,
para minha surpresa, do outro lado da linha, ouvi a voz de um 'espírito de porco' 
comentando a receita do dia de um programa culinário - costela no quentão. 
Liguei a TV pensando que se tratava de uma suculenta costela de boi. 
Mas, na verdade, era uma singela  costelinha de porco. 
Sinceramente, não curto muito porco - mas fiquei com a boca cheia d'água - talvez por conta do quentão...  Relutei alguns dias mas acabei não resistindo. Me rendi! 
Fiz a receita e, como não poderia deixar de ser, dei uma pitada diferenciada. 
Ao invés de serví-la com um simples arrozinho branco e salada de folhas, 
fiz uma bela polenta mole com muito queijo e manjericão.
Para completar, uma saladinha de espinafre temperada com azeite e sal. 
Ficou uma delícia. E como o espírito de porco não veio para comer, vou ter que repetir!  
Priscilla Sarah - Aprendiz de Cozinheira.


sexta-feira, 1 de julho de 2011

Quem tem amigos, nunca está só!

Este foi o pensamento que deu origem a gostosura de hj. Na verdade, de ontem. 
Trata-se de um bolo de chocolate recheado com o dueto mousse de maracujá + trufa de chocolate. 
Como cobertura, nada melhor do que um bom marshmallow acompanhado pela calda da própria fruta. 
Uma delícia!!!
Domingo, ao telefonar para um amigo para desejar felicidade, saúde, amor, sucesso, $$$$ 
- tudo de melhor e mais um pouco - 
pelos seus 40 e poucos anos, me surpreendi com uma voz triste, sofrida e judiada do outro lado da linha. 
Ele, de fato, está naquela fase em que agradecer por vacas e elefantes não voarem faz sentido. 
O inferno astral foi mesmo um inferno para o astral. 
Mal desliguei, elaborei uma lista de convidados e designei a cada um uma missão:
levar um prato de doce ou salgado e uma bebida. Parece quermesse de escola - rs! 
Acertamos as agendas e os relógios e "surpreendemos" nosso camarada nesta noite quase fria de quinta.  Invadimos sua casa na surdina e ficamos aguardando sua ilustre chegada. Deu certo! 
A expressão macambúzia deu lugar a um sorriso MARAVILHOSO pois quem tem amigos, nunca está só.
Priscilla Sarah - aprendiz de cozinheira...